LULA PRESO POLÍTICO

LULA PRESO POLÍTICO

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Um milagre salva Lula


Por Moisés Mendes, em seu blog

Alguns dizem, repetem e insistem que as sentenças do juiz Sergio Moro nos processos contra Lula terão de ser muito bem amarradas, ou poderão ser desatadas pela segunda instância. E a segunda instância é a o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre.

Pois se sabe que o TRF delibera quase tudo a favor de Sergio Moro. Em março, o Tribunal refugou um processo de Lula contra o juiz por abuso de autoridade (o grampo da conversa com Dilma e a condução coercitiva).

O argumento básico é o de que o juiz está em missão única, excepcional, e que suas deliberações podem então ser fora da curva.

O TRF ratifica 70% das sentenças que saem de Curitiba. Este é o grande argumento da Lava-Jato para a conduta do juiz Moro.

Quem conversa com fontes do Judiciário ouve o seguinte: não alimentem as expectativas dos mais otimistas com possíveis decisões do Tribunal Regional que possam vir a favorecer Lula. Não embarquem nessa ilusão.

A situação de Lula, com cinco processos, dois em Curitiba e três em Brasília e outros que ainda poderão aparecer com as investigações em andamento, é a mesma do jogo do Brasil com a Alemanha. Ele pode até marcar um gol, mas corre o risco de tomar sete.

Lula foi cercado impiedosamente. Deve ser destruído antes da eleição de 2018. Não haveria mais o que fazer, a não ser esperar pelo milagre de um inesperado movimento do imponderável, dentro ou fora do Judiciário.

Quanto mais Lula crescer nas pesquisas, mais os delatores irão se multiplicar. Vão levar Lula para o canto e massacrá-lo, em Curitiba e no Jornal Nacional. Com ou sem provas, com ou sem convicções, num cenário geral de anestesia, resignação e acovardamento.

E ninguém enfrenta Sergio Moro, porque desafiá-lo formalmente, nas instâncias do Judiciário (e a corregedoria do Conselho Nacional de Justiça?), condenaria sumariamente o discordante como inimigo da Lava-Jato, da Globo, do pato da Fiesp e dos golpistas do Jaburu.

Moro pode manter alguém em prisão preventiva, como mantém, pelo tempo que quiser (porque a lei o favorece!), para depois obter delações de farrapos morais. Alguns colegas seus até reagem, como os Juízes para a Democracia, mas e daí?

Poucos ou quase ninguém fica sabendo que há discordâncias graves dentro do próprio Judiciário e do Ministério Público em relação aos métodos medievais de Sergio Moro. É uma discordância valente, honrosa, decidida, mas ainda inconsequente, porque aparentemente minoritária e escondida nos biombos da grande imprensa.

E, para completar, o único juiz de instância superior a enfrentar Moro, num episódio pontual, ao recriminá-lo pelo delito de grampear Dilma e mandar a gravação para a Globo, foi o ministro do Supremo Teori Zavaschi.

Mas Teori Zavaschi está morto.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Não consigo sentir empatia pelo inimigo




Preciso confessar. Está engasgado na minha garganta. Preciso falar, até para mim mesmo e aproveitar as minhas palavras como forma de progredir como ser humano.

Sou um homem de esquerda. Aprendi a ser feminista. Não abro mão dos meus sonhos de uma sociedade justa, mesmo diante da morte.

Cheio de falhas, vou evoluindo constantemente ou penso que sim.

De repente me pego em falha ética, pois, ao contrário da GRANDE maioria dos amigos, jornalistas, blogueiros, etc., pessoas de esquerda, pessoas que admiro e aprendi a ouvir/ler, não consigo sentir empatia pela jornalista Raquel Sheherazade.

Reconheço que ela sofreu assédio moral. Tomará alguma providência? Duvido.

Claro que Sílvio Santos não poderia tratá-la da forma que a tratou, nem a ela nem a ninguém. Mas ela tem opção, por que não reagiu? E o que ela esperava receber de um espécime de pessoa como o “patrão”? Ela tão arrogante e violenta com os esquerdistas é uma cordeirinha vendida por um gordíssimo salário.

Não é surpresa para ninguém, que Sílvio Santos humilhou, humilha e continuará humilhando calouros, jurados, mulheres do seu auditório, travestis que lá vão se apresentar, etc., mas, nunca vi uma indignação tão GRANDE como a que está se vendo com esculhambação do patrão à empregada famosa.

Não vi/ouvi, nem na TV, que há mais de 20 anos não assisto, nem na internet as merdas que Sílvio Santos falou para ela, apenas li transcrições.

Não gosto de ver ninguém ser humilhado, mesmo aquelas pessoas por quem tenho ojeriza. Não me sinto bem. Fico constrangido. Indignado.

A verdade é não vejo Sheherazade como mulher, socialmente falando, “ninguém nasce mulher...”, ou como empregada. Duvido que, na sua ânsia por poder, prestígio e dinheiro ela fosse defender o indulto às mulheres, negras e periféricas, em sua grande maioria presas por porte de drogas. Duvido, novamente, que reconheceria o direito de greve dos empregados do SBT, se fosse o caso.

Pergunto-me por que ela, a Sheherazade se passa, como mulher, jornalista e ser a porta-voz da intolerância? Para mim é simplesmente por fama e dinheiro. Não admiro esse individualismo. Não posso ser solidário a tal figura nefasta só por que ela é mulher.

Todos os dias, para quem a assistiu, ela, com suas falas hidrófobas, humilhava os marginalizados, os mais frágeis, e dentre os mais frágeis estão as mulheres. No entanto, foi tão passiva diante do bilionário branco… cadê a sororidade, Raquel?

“Mexeu com uma mexeu com todas” para mim não é argumento suficiente para defender ou sentir empatia por Raquel Sheherazade.

Estou sendo bem sincero e me expondo a críticas junto às pessoas que admiro, pessoas de esquerda, claro.

No momento em que ela, usando uma concessão pública, destilava seu ódio contra os marginalizados, a soldo do Sílvio, ali ela era toda poderosa e arrogante. Não havia limites para os seus arroubos, claro, que com a autorização do todo poderoso do SBT.

Vítimas da sociedade patriarcal somo todos nós, principalmente, claro, as mulheres. Dentre as mulheres as mais frágeis socialmente. As com os piores empregos, as mães que cuidam só dos filhos, abortados pelos pais, as presas por porte de drogas, as periféricas, as negras, as lésbicas, as travestis, as trans. Sou solidário a todas, mas não consigo sentir empatia pela jornalista.

Peço perdão aos que discordam de mim. Sou falho, rancoroso, humano, demasiado humano. Não sou perfeito, ao contrário.

Nunca perderia o meu tempo e minha pena em solidariedade a ela. Ela é minha inimiga. Bolsonaro é meu inimigo. Os EUA, o Bradesco, Temer, Moro são todos meus inimigos. Meu tempo e minha pena são solidário com os 99%, não com escrotos.

Admiro a todos que a defenderam, dentre eles, Cynara Menezes, Nelson Barbosa, Elika Takimoto, mas, não alcanço a sabedoria dos mesmos.